El mercado de los molinos de azúcar en el Recôncavo da Guanabara (Río de Janeiro, siglo XVIII)

Ana Paula Souza Rodrigues Machado

Resumen


El objetivo de este trabajo es el de analizar los mecanismos de compra y venta de las fábricas de azúcar, en Río de Janeiro, a lo largo del siglo XVIII. Partiendo del principio de que las fábricas de azúcar eran unas mercancías muy valiosas, social y económicamente, .qué motivó la compraventa de molinos? Además del dinero, qué era necesario para, por ejemplo, adquirir un molino en el Recôncavo da Guanabara, tradicional área azucarera? Para responder a estas y otras preguntas decidimos elaborar un banco de datos con todas las escrituras públicas de molinos, entre los anos 1701 y 1800, totalizando 1015 registros, para las localidades rurales de la capitanía de Río de Janeiro. Concluimos, finalmente, que en la mayor parte de las operaciones de compra y venta de molinos y tierras había una relación de parentesco entre vendedor y comprador.


Palabras clave


Mercado; molinos de azúcar; Rio de Janeiro; Siglo XVIII

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Aguiar, Júlia Ribeiro. Por entre as frestas das normas: nobreza da terra, elite das senzalas e pardos forros em uma freguesia rural do Rio de Janeiro (São Gonçalo, sécs. XVII-XVIII). 2015. 221f. Dissertação de Mestrado em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

Almeida, Cândido Mendes de. Ordenações Filipinas. Rio de Janeiro, 1870.

Almeida, Carla Maria Carvalho de. As vendas fantásticas dos homens ricos das Minas: estratégias de preservação do patrimônio familiar no século XVIII. LIBBY, Douglas Cole; et al. História da família no Brasil (séculos XVIII, XIX e XX): novas análises e perspectivas. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015.

Chahon, Sérgio. Os convidados para a ceia do Senhor: as missas e a vivência leiga do catolicismo na cidade do Rio de Janeiro e arredores (1750-1820). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

Delgado, Ignacio Godinho. Poder, mercado e trabalho. In: Almeida, Carla Maria Carvalho de; Oliveira, Mônica Ribeiro de (orgs.) Nomes e números: alternativas metodológicas para a história econômica e social. Juiz de Fora: UFJF, 2006.

Dumont, Louis. 1993. Homo Hierarchicus: o sistema de castas e suas implicações. São Paulo: EDUSP, 2008.

Elias, Norbert; Scotson, John L. Os Estabelecidos e os Outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.

Fragoso, João Luís Ribeiro. A formação da economia colonial no Rio de Janeiro e de sua primeira elite senhorial (séculos XVI e XVII). In: Fragoso, João; Bicalho, Maria Fernanda Baptista; Gouvêa, Maria de Fátima Silva, (orgs.). O Antigo Regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

Fragoso, João. À Espera das frotas: micro-história tapuia e a nobreza principal da terra (Rio de Janeiro, c. 1600-c. 1750). Conferência apresentada para concurso público para professor titular. IFCS, RJ, 2005.

Fragoso, João Luís Ribeiro. Fidalgos e parentes de pretos: notas sobre a nobreza principal da terra do Rio de Janeiro (1600-1750). In: Almeida, Carla Maria Carvalho de; Fragoso, João; Sampaio, Antonio Carlos Jucá de (orgs.). Conquistadores e negociantes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007

Fragoso, João. Capitão Manuel Pimenta Sampaio, senhor de engenho do Rio Grande, neto de conquistadores e compadre de João Soares, pardo: notas sobre uma hierarquia social costumeira (Rio de Janeiro, 1700-1760). In: Fragoso, João; Gouvêa, Maria de Fátima (orgs.). Na trama das redes. Política e negócios no Império Português, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

Fragoso, João Luís Ribeiro. Efigênia Angola, Francisca Muniz forra parda, seus parceiros e senhores: freguesias rurais do Rio de Janeiro, século XVIII. Uma contribuição metodológica para a história colonial. Topoi, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, pp. 74-106, Dec. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-101X2010000200074&lng=en&nrm=iso. Acesso em 22 mai. 2017.

Fragoso, João Luís Ribeiro. Apontamentos para uma metodologia em História Social a partir de assentos paroquiais (Rio de Janeiro, séculos XVII e XVIII). In: Fragoso, João; Galdames, Francisco Javier Müller. Entre a cruz e a coroa: A trajetória de Mons. Pizarro (1753-1830). 2007. 555 f. Dissertação de Mestrado em História Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2007.

Fragoso, João. E as plantations viraram fumaça: nobreza principal da terra, Antigo Regime e escravidão mercantil. História, Franca, v. 34, n. 2, p. 95, Dec. 2015. Disponível em: Acesso em: 05 mai. 2017.

Fragoso, João; Florentino, Manolo. O arcaísmo como projeto: mercado atlântico, sociedade agrária e elite mercantil em uma economia colonial tardia, Rio de Janeiro, c.1790-c. 1840. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

Ginzburg, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Ginzburg, Carlo. Mitos, Emblemas e Sinais. São Paulo: Cia. das Letras, 1989, pp. 143-179.

Grossi, Paolo. História da propriedade e outros ensaios. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

Guedes, Roberto. Egressos do cativeiro: trabalho, família, aliança e mobilidade social: (Porto Feliz, São Paulo, c. 1798-c. 1850). Rio de Janeiro: Mauad X: Faperj, 2008.

Guedes, Roberto; Sampaio, Antonio Jucá de (orgs). Arquivos paroquiais e história social na América Lusa. Métodos e técnicas de pesquisa na reinvenção de um corpus documental. Rio de Janeiro: Mauad X, 2014.

Hespanha, Manuel António. Como os juristas viam o mundo. 1550-1750. Direitos, estados, pessoas, coisas, contratos, ações e crimes. Lisboa, 2015.

Kula, Witold. Teoria econômica do sistema Feudal. Lisboa: Editora Presença / São Paulo: Martins Fontes, 1979.

Labrousse, Ernest. Flutuaciones econômicas e Historia Social. Madrid: Editorial Tecnos, S. A., 1962.

Levi, Giovanni. A herança imaterial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

Levi, Giovanni. Economia camponesa e mercado de terra no Piemonte de Antigo Regime. In: Almeida, Carla Maria Carvalho de; Oliveira, Mônica Ribeiro de (orgs.). Exercícios de micro-história. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

Levi, Giovanni. Reciprocidade Mediterrânea. In: Almeida, Carla Maria Carvalho de; Oliveira, Mônica Ribeiro de (orgs.) Exercícios de micro-história. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

Mattos, Hebe. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no sudeste escravista. Brasil século XIX. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.

Oliveira, Victor Luiz Alvares. Retratos de família: sucessão, terras e ilegitimidade entre a nobreza da terra de Jacarepaguá, séculos XVI-XVIII. 2014. 288 f. Dissertação de Mestrado em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

Pesavento, Fábio. Um pouco antes da corte: a economia do Rio de Janeiro na segunda metade dos setecentos. 2009. 226 f. Tese de Doutorado em Ciências Econômicas, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009.

Polany, Karl. A Grande transformação: as origens de nossa época. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1980.

Rheingantz, Carlos. Primeiras famílias do Rio de Janeiro (séculos XVI e XVII). vol. 2. Rio de Janeiro: Livraria Brasiliana Editora, 1965.

Sampaio, Antonio Carlos Jucá de. Na encruzilhada do império: hierarquias sócias e conjunturas econômicas no Rio de Janeiro (c. 1650-c. 1750). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

Silva, Antonio Moraes. Diccionario da lingua portugueza - recompilado dos vocabularios impressos ate agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado, por Antonio de Moraes Silva. Lisboa: Typographia Lacerdina, 1813, p. 74.




DOI: http://dx.doi.org/10.18172/brocar.3821

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019 Brocar. Cuadernos de Investigación Histórica

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

© Universidad de La Rioja, 2013

ISSN 1885-8309

EISSN 1885-8155